Oração da Serenidade



Deus, concedei-me,
A serenidade para aceitar as coisas que eu não posso modificar;
Coragem para modificar as coisas que posso, e
Sabedoria para saber a diferença.
Vivendo um dia de cada vez;
Desfrutando um momento por vez;
Aceitando as dificuldades como o caminho da paz;
Tomando, como ele fez, este mundo pecaminoso como ele e, não como eu gostaria que fosse;
Confiando em que ele fará todas as coisas certas se eu submeter-me a sua vontade.
Que eu possa ser razoavelmente feliz nesta vida;
E infinitamente feliz com ele para sempre na próxima.
Amém.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Dar uma Geral


Dar uma Geral ou realizar uma verificação social

               Ainda a classe policial tem enfrentado uma dilema complexo e polemizados por setores da sociedade, que por ora ainda vivem  saudosista  por um passado recente, onde a policia reprimia sem contexto de legitima defesa comportando-se como policia subdesenvolvida, voltada para defesa dos governantes.
               Com isto a sociedade aprendeu ter medo de quem ostenta farda, pois nos anos de chumbo a policia tinha poderes arbitrários para interpelar e prender quem estivesse contra o regime imposto.
              Foi daí que se adquiriu a cultura de uma abordagem policial, que em definição mais ampla “É um processo ordenado para aproximar-se de pessoa, veículos ou edificações, visando à verificação, utilizando-se de técnicas e meios apropriados para compelir atos lesivos a ordem social que é estruturada por construção social do estereótipo  previamente estabelecido “
                Em termos mais operacionais podemos dizer que busca pessoal, abordagem pessoal, revista, "dura", "baculejo" etc. são referências  ao ato de procurar, no corpo do indivíduo conduta possivelmente criminosa/ilícita, sendo que deveriam ser sempre revestida de fundada suspeita que deve estar embasada  em uma motivação legal. Jamais deveria ser um ato isolado do Estado, ali representado pelo policial, arbitrário ou ilegal.
                 Em nossa sociedade a ordem social é infelizmente estruturada por convenções predefinidas deixando á abordagem policial de ser um instrumento do Estado para realizar a finalidade publica de proteger através da busca pessoal a sociedade e sim manifestar o achismo sem o mínimo de fundamento
Dos aspectos legais.

                          O Código de Processo Penal, aventando sobre meio de provas (Título VII), em seu capítulo XI, trata da busca e apreensão e, através do artigo 240, parágrafo segundo, informa que a busca pessoal será realizada quando existir fundada suspeita de que alguém oculte armas ou objetos relacionados a atos criminosos, secundum legem,
                 No  Pais, a Constituição Federal de 1988 foi fortemente influenciada pelos instrumentos internacionais de proteção aos direitos individuais, principalmente na mudança de comportamento da sociedade, pois a evolução e o entendimento de determinadas situações foi veementemente cobradas, pois cidadão normalmente  não reclama de ter sido submetido à abordagem policial, pois já se tornou claro a necessidade de segurança no ato,  mas não e mais tolerado a forma como foi tratado pelo agente.
                 Diante desta necessidade as policias foram moldando-se umas mais rápidas outras mais lentas devido a brusca mudança de cultura interna de uma nova realidade.                                 Realidade esta voltada para uma interpelação respeitosa onde o policial se coloca como parceiro do cidadão evidenciando os princípios de policia cidadã.
                 Houve também um investimento no aspecto de humanização das policias deixando-a mais próxima da sociedade.
As técnica de verificação social foram diversificadas em varias vertentes, em especial as guardas municipais que adotaram uma postura intermediaria que vem obtendo resultados muito promissores pois a postura repressiva não é cultivada porem focada em uma postura social de comunidade mais aceita pela sociedade.
                 A grande dificuldade encontrada atualmente é a quebra de conceitos arraigados que e pseudo-s defensores e paladinos da sociedade que surgem através de programas e grande mídia bem como aquele que aproveitam o viés político e se elegem sobre o manto da segurança apregoando a volta ao passado triste que já tivemos  inclusive passando pela  abordagem do cidadão  sem critério novamente generalizando e marginalizando a sociedade com estereótipos do pobre negro e mal vestido.

                 Novamente voltamos a  respirar os ares da sensação de insegurança imposta até mesmo por interesse na industria que se formou a segurança . 

Nenhum comentário:

Postar um comentário